Ost - Recapagens de pneus, jateamento e pintura industriais e outros serviços automotivos.
Vipal
Novateck
Carrinho
(51) 3534.7150
contato@ost.ind.br

Institucional

Conheça seu pneu

Banner

Conheça seu pneu

 

Montamos esta página com a finalidade de mostrar a você um pouco sobre a estrutura e construção dos pneus.

Partes de um pneu

 

Os pneus radiais representam um avanço tecnológico em relação aos pneus convencionais, tanto pelo material empregado na sua concepção quanto pela forma como são colocadas as lonas e pelo tipo de rendimento que proporcionam.

A carcaça
No pneu radial os cabos da carcaça estão dispostos em arcos perpendiculares ao plano de rodagem e orientados em direção ao centro do pneu. Por ser uma carcaça única, não existe fricção entre as lonas - apenas flexão - o que evita a elevação da temperatura interna do pneu.

A lona
A estabilização do piso é obtida através de uma cinta metálica composta de lonas diagonalmente opostas umas sobre as outras.

A borracha
É a parte do pneu que entra em contato direto com o solo. Ela confere ao pneu propriedades tais como: suportar a carga, assegurar a transmissão da potência automotriz, garantir dirigibilidade e respostas eficientes nas frenagens e aceleração, otimizar a aderência do veículo aos diversos tipos de solo.

Componentes de montagem de pneus com e sem câmara

 

Com câmara

 

Sem câmara

Construção radial e construção diagonal

 

Construção radial

 

Construção diagonal (BIAS)

Um Raio X sobre os tipos de construção

 

 

A parte assinalada (A) no desenho acima, representa a área de contração de um pneu convencional. Os cordonéis das lonas (fig.2), tracionando em direções opostas fazem com que os elementos do desenho se fechem (fig.3).

 

 

À medida que o pneu continua rodando e sai da área de contração (fig.1), os cordonéis da carcaça passam a tracionar em direção inversa à anterior e forçar a abertura dos elementos do desenho da rodagem (fig.3). A letra (B) neste desenho, mostra a área de expansão do Pneu.

Após o movimento de expansão, a carcaça entra na área normal (C) e a banda de rodagem volta a ter seus elementos em posição normal.

Comparação lado a lado dos tipos de construção

 

Na figura 1, vemos um pneu convencional de duas, quatro ou mais lonas. Cada lona é colocada sobre a outra com os cordonéis em sentido diagonalmente oposto a anterior.

Na figura 2, vemos um pneu de construção Radial. Os cordonéis de sua carcaça são dispostos em linha reta de talão a talão. Além disso, uma rígida camada de lonas, em sentido diagonal, é colocada abaixo da lona de rodagem. A carcaça em construção radial é extremamente flexível, por isto não está sujeita aos movimentos de contração e expansão da banda de rodagem. Nas curvas, um excelente controle é garantido pelas suas paredes laterais mais flexíveis.

 

 

Todo pneu, independente do tipo de construção, passa por três áreas durante uma volta completa da roda: a área de contração, a área de expansão, e a área normal.

Construção convencional

 

Na ilustração ao lado mostramos o desenho da banda de rodagem de um pneu convencional, assim que ele passa pelas três áreas durante uma volta completa da roda. Na figura 1 a banda de rodagem está na área normal. Na figura 2 a banda de rodagem está na área de contração, fazendo com que os elementos do desenho se fechem. Já na figura 3, a banda de rodagem está na área de expansão, visto que os cordonéis passaram a tracionar em direção oposta à anterior. Este movimento de contração e expansão da banda de rodagem com o pavimento é a principal causa do desgaste de pneu.

 

Construção radial

 

Nos Pneus Radiais, as lonas estabilizadoras eliminam qualquer movimento de contração ou expansão da banda de rodagem, conforme podemos verificar na figura ao lado. A ausência da ação de atrito causada pela contração e expansão faz com que os pneus radiais proporcionem o máximo de quilometragem. A flexibilidade de suas paredes laterais mantém a banda de rodagem mais larga, firme e plana na estrada.

Capacidade de lonas

 

Para atender aos diversos serviços e cargas, os pneus são fabricados com determinado número de lonas. Na confecção das lonas que compõem a carcaça dos modernos pneus de ônibus e caminhões são utilizados fios de nylon, cuja característica principal é a grande resistência. Deste modo, os pneus podem suportar grandes cargas com menor número de lonas. Por esta razão, o termo "CAP LONAS" é uma unidade que representa a resistência da carcaça do pneu, não indicando, necessariamente, o número real de lonas com que o mesmo foi confeccionado. Um menor número de lonas resulta em melhor dissipação do calor e maior rendimento do pneu.